sexta-feira, 10 de julho de 2009

Apreciando a beleza dos mares calmos...


Já reparou que quando se fala em histórias de amor,sempre pensamos e suspiramos pelas histórias de amores impossíveis?Será que adoramos sofrimento?Acabamos não vendo graça naquele amor calmo,leve,compartilhado...Amor correspondido acaba ficando fora do menu nas conversas.E por que será que tem gente que acha que amar é sofrer?E se fecha para o mundo,adorando aquele drama todo,não se permitindo amar e ser amado por outra pessoa ?Houve uma época que fui (estive)assim,adorava ter aquela ferida exposta,não queria colocar remédio nem curativos nela,era uma forma de mostrar ao mundo o quanto a felicidade era um luxo para poucos e eu não era digna dela.Adorava aquele mar revolto,cheio de tempestades e fazia um esforço absurdo para que o amor me escolhesse...Até que por fim,totalmente cansada e quase desistindo,encontrei um caminho de águas calmas.Um caminho que me permitiu ver realmente a paisagem e poder sentir a brisa fresca e serena.E pra quem acha que esse caminho não contém travessias mais revoltas,eu vos digo: há sim,muitas...Mas são travessias onde há divisão do leme.Então elas ficam mais leves,mais engraçadas.E seu peso fica bem menor,pois é levado a quatro mãos...O amor é pra deixar a gente feliz.Menos que isso,é demais pra minha cabeça...

Nenhum comentário:

Postar um comentário