sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Felicidade diferente...


E se a gente não nasceu pra casar,pra ser mãe e ser esposa?E se nosso objetivo não for formar uma família?O que resta pra quem não se enquadra nesses sonhos convencionais?Eu digo que o que resta é o olhar de piedade das pessoas.Ninguém consegue admitir felicidade se não for aquela dos moldes tradicionais.E fico assustada com isso.Me pergunto por que tanta gente que conheço esta infeliz vivendo essa vida taxada de ideal?Não sei,cada dia me distancio mais desses moldes.Me distancio pois sou feliz sendo dona da minha casa.Minha e apenas minha.Me distancio pois mesmo estando a beira dos 35 ainda não me decidi se quero ter filhos.Me distancio porque apesar de ter um amor-e isso há 8 anos-não pretendo tão cedo dividir a mesma casa com ele.Causo espanto por não querer viver uma vida tradicional.Não quero por vários motivos.Absolutos apenas pra mim.A rotina me assusta.Tenho medo,admito.E talvez nunca venha a superar isso.A intimidade de dividir minha vida constantemente com quem amo me causa arrepios.Gosto de algumas cerimônias.Confio que elas são responsáveis por certos encantos.E vejo tantos casais desencantados com seus parceiros.E a coisa mais triste que acontece numa relação é quando você perde o encanto.Quando você não se importa mais em mostrar o “seu melhor”para a pessoa que esta ao seu lado.E o dia a dia as vezes massacra uma relação.E acho que quem consegue fazer diferente,merece um grande premio.Fico feliz com quem consegue fazer diferente.Pois levar uma vida a dois com filhos,grana apertada,frustrações e cansaço do trabalho,falta de tempo para namorar,pra se divertir,pra lembrar um pouquinho de que são pessoas normais(e não apenas pai e mãe)é uma maratona exaustiva.E vejo as pessoas tão cansadas.Tão infelizes.Isso me dá um certo pavor.Se penso na solidão?Penso.Mas sei que ela não é definitiva.Tenho certeza que nada nem ninguém supre a solidão.E ter filhos ou marido nunca vai ser garantia de não ficar só.Conheço tanta gente com esse“pacote”e que ainda assim se sente muito sozinha.Acho que cada dia mais,o que devemos exercitar é aprender a conviver com nós mesmos.Descobrir o que precisamos de verdade.Mas nada de “eu me basto".Não acredito que alguém se baste.É maravilhoso compartilhar.É maravilhoso amar.O que quero dizer,é que temos sim ,direito a felicidade de maneira diferente.Querendo coisas diferentes da maioria.E o que a gente precisa é que a maioria pare de nos olhar com estranheza,com piedade,com cobrança...Cada um sabe a dor e a delicia de ser o que é.Ou o que "quer".E de que forma quer...

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Poesia minha...


E por que ainda espero?
Por que espero pelo seu desdém?
Pelo seu jeito indisponível.
Pela falta de delicadeza.
Por que espero pela sua resistência?
Pelo seu jeito de criar condições.
E por me reservar o último lugar.
Por que acredito nas suas verdades?
Mesmo quando sei que elas são mentira.
Por que espero pelas suas pernas e bocas?
Se elas andam o tempo inteiro em outros lugares.
Por que ainda espero pelo cintilar de seus olhos?
Pelo jeito jocoso das suas palavras.
E pela maneira de me rodopiar.
Por que as coisas só fazem sentido se você explicar?
Por que ainda espero pelas intermináveis conversas?
E pelo jeito singular de dizer verdades?
E, por que ainda penso em você todos os dias ao acordar?
Você pode, por favor,deixar de existir aqui dentro ????

sábado, 16 de janeiro de 2010

Freeeeeeeeeeee.


Meu caminho é cada manhã
Não procure saber onde estou
Meu destino não é de ninguém
Eu não deixo os meus passos no chão

Se você não entende, não vê
Se não me vê, não entende
Não procure saber onde estou
Se o meu jeito te surpreende

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Ficando pra titia...


É tão fácil ter opinião sobre a vida dos outros.É tão fácil julgar e achar que a pessoa a conduz de maneira errada.A vida dos outros aos nossos olhos é tão simples.Temos a formula perfeita para cada passagem.E por que,quando se trata da nossa vida,tudo parece tão complexo?Olha,não tem coisa pior pra mim no mundo,do que alguém dizer como devo conduzir minhas coisas.Meus dramas e neuroses são só meus.Meu jeito de comer,de vestir,de arrumar a minha casa,de gastar o meu dinheiro,de me exercitar ou não,só é problema meu.De mais ninguém.E me irrita muito quando alguém vem com formulas mágicas para resolver os problemas dos outros.Tenho preguiça de gente assim.Tenho preguiça de me meter na vida das pessoas que conheço.Tenho cuidado de emitir opiniões,por que sei que aquelas sugestões são as coisas que EU faria.Somente Eu.E talvez até nem mesmo Eu .E fora que,quando alguém me pede opinião sobre algo,realmente escuta o que acho.Alguns dias com mais delicadeza.Outros,nem tanto.
Passei alguns dias vendo o quanto é difícil ser mãe.O quanto é difícil educar.Você ama aquele ser pequenino e tem que dizer “não” para ele o tempo todo.E deve ser um desespero saber que aquela pessoinha não nos ama na maior parte do dia,pois falamos “não” pra ela o tempo inteiro.Educar é cansativo e desafiador.Não da para descansar nunca.E sofri ao pensar nos filhos que ainda não tenho.Sofri por não saber se conseguirei dizer não.Sofri por que é tão difícil ter a responsabilidade de construir uma pessoa.Sofri por saber que eles terão momentos de desamor por mim.Então essa lição me deixa mais convicta do quanto não devemos julgar e nem dizer a ninguém como agir com um filho.Cada mãe carrega isso.E todas elas,sabem que dão conta.Eu estou pensativa.Ainda em dúvida se daria conta do recado.Enquanto não chega meu dia, o que posso fazer é ter paciência e disponibilidade com meus amigos que tem filhos.O que posso fazer é dizer que eles tem livre acesso sobre minha vida.Sobre minha casa.E que não tem problema se as crianças bagunçarem...Não tem problema mesmo...Enquanto isso,vou ficando pra titia...rs

domingo, 10 de janeiro de 2010

Eu e Elisa no Rio de Janeiro


Ter uma amizade nova em nossa vida é algo maravilhoso e ao mesmo tempo assustador.Maravilhoso por que uma das melhores coisas é encontrar alguém que sabemos que tem potencial para se tornar um grande amigo.Alguém que poderemos abrir o coração,a casa e a vida.Alguém que chegará com novos olhos.Com novas idéias.Com novos sentimentos.E isso é também assustador.Quem já nos conhece,conhece,gosta e atura.Vc não precisa contar sua estória.E para novos amigos só mostramos apenas o nosso lado bom.Sem defeitos.É como começo de namoro.Só mostramos as coisas boas e perfeitas.Mas aí a convivência vai fazendo a gente se mostrar de verdade.Colocamos nossos demônios pra fora.Mostramos que temos mau humor,que acordamos de cara inchada.Que somos impacientes.Que somos egoístas e blá blá blá...O laço então vai se estreitamos e descobrimos que apesar de todas as loucuras ainda queremos que aquela pessoa faça parte da nossa vida...Tive o privilégio de receber uma nova grande amiga aqui na minha casa por 4 dias.Elisa e Eu nos conhecemos através de nossos blogs.Ela, lá no Espírito Santo e eu, aqui no Rio de Janeiro. Nesses 4 dias num calor de 40 graus,exercitamos nossa amizade.Sim, exercitamos.Amigos de internet quando se encontram na vida real precisam exercitar amizade.Relembrar as conversas.Relembrar os emails.Perguntar o dia do aniversario.Onde nasceu e até o nome dos filhos.E fizemos isso nesses 4 dias.Nos tornamos amigas de verdade.Que sabe que a outra é feita de carne e osso.Que tem problemas.Que são reais.E que realmente tem um coração generoso.Nesses dias nos divertimos,choramos,comemos,fizemos comprinhas ( na verdade compronassssss) ,pois ninguém faz comprinhas na Maria Bonita Extra ,na Loccitane e na Mac,rs.Essas lojas são um acontecimento!!!Comemos pizza,sorvetes,saladas e até Mac Donalds ( que sacrifício,rs ).Andamos pela praia,fizemos programas infantis pois Elisa veio acompanhada de sua princesa Letícia.E tudo foi perfeito.Mas não aquela perfeição do mundo virtual.Tivemos percalços.E os resolvemos.E nos fortalecemos.Foram dias de gente de verdade.Foram dias que provam que seremos eternas uma na vida da outra.Obrigada amiga.