quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Desdenhando a lista...


Então ta,me diz o que fazemos com a lista?Me diz o que fazemos com a lista daquelas resoluções que não foram atingidas?A gente joga fora? Ou parte pra outras? Será que elas realmente eram importantes ?Acho que não.Eu acredito que a gente só se empenhe de verdade nas coisas que realmente queremos.Se não nos empenhamos para alcançá-las,é por que na verdade aquilo não fazia tanta diferença assim.Eu ando desistindo de fazer listas de resoluções.Essas listas me frustram.Estou pensando em deixar a maré me levar.Sem planos.Sem direção.Será que talvez assim,a gente consiga chegar onde quer? Será que vale aquela máxima de “distraídos venceremos” ??Toda lista tem sempre os mesmos tópicos.Contém coisas que só dependem de nós e que mesmo assim,não conseguimos coloca-las em prática.Coisas ridículas como aproveitamento de tempo,alimentação saudável,emagrecimento e troca de algum eletrodoméstico.Tem até planos de casamento.E de consertar a carrapeta das torneiras.Na boa,isso tudo é tão prático. E por que será que fazemos listas ? A lista de resoluções acaba dando uma importância tão suntuosa para coisas corriqueiras,que ficamos achando essas coisas tão difíceis e inatingíveis.Isso gera uma ansiedade louca,nos deixando a sensação de não ter realizado nada.Caramba,é tão simples parar de comer no Mac e comer uma comidinha gostosa e saudável.É tão simples dormir mais cedo,acordar mais cedo e não faltar na hidroginástica.É tão simples entrar na casa Bahia e comprar uma geladeira em 12x..É tão simples viver um dia de cada vez.Pensando apenas nele.Pensando em fazer o melhor nele.Amanhã muda tanta coisa.E as listas são feitas para o amanhã.E isso é cruel conosco.Amanhã pode estar chovendo.Ou fazendo muito sol.Amanhã a geladeira pode aumentar de preço.Ou o namoro acabar. Então quero viver agora fazendo planos simples.Com vida útil de 1 dia.Não deu.Tudo ok.Ninguém morre.Ninguém fica com a sensação de falta de realização...Eu sei que é difícil.Mas vou botar isso na minha lista...rs

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Bolinhas que quebram...


Dezembro me deixa assim,totalmente dengosa,chorosa e com saudades das pessoas que amo.Tudo que tenho vontade é de ficar horas grudada nelas.Carente total!É um mês que me deixa esgotada pela quantidade de trabalho e ao mesmo tempo,me deixa leve e feliz com bochechas coradas de tanto sorrir para as pessoas.Pareço louca sorrindo para cada pessoa que não conheço na rua.E também sorrio para os enfeites natalinos que encontro.Doida mesmo.Adoro Natal.Adoro casa decorada(embora não tenha conseguido decorar a minha).Adoro dar e receber presentes.Dezembro tem até um cheiro diferente pra mim.Tem uma luz que me encanta e parece uma máquina do tempo que me transforma novamente em criança.Nesse mês há um misto de loucura e encanto.Tudo parece andar muito depressa,só que uma pressa meio mágica.Pessoas correm,viajam,recebem gente em casa,escolhem presentes,resmungam,o trânsito fica louco.E mesmo assim,ainda parece encantado pra mim.Queria que todos os meses fossem assim.Pois é um mês que me enche de alegria e conforto no coração.Tem gente que não gosta de Natal.Eu amooooo.Tenho lembranças maravilhosas de meus Natais na infância.O cheirinho da ceia sendo preparada.Das pessoas chegando de longe.De colocar roupas novas.Da toalha de mesa também nova.Das luzes piscando.De dormir várias primas juntas.Dos risos.Daquelas bolinhas lindas na árvore.Lembro do zelo que tínhamos com elas para que não quebrassem.Hoje as bolinhas são diferentes.Elas não quebram...Na verdade eu gostava das bolinhas que quebravam.Há quem diga que o Natal perdeu o sentido.Que virou essa data de consumo desenfreada.Olha,eu não aceito isso.Acho que é uma data especial e devemos sim, presentear aqueles que amamos.O que acho errado é quando esse presente precisa ser ostensivo.Quando há uma preocupação em se presentear por status.Acho o ato de presentear,algo divino.Sabe,um minuto mágico em que alguém pensou somente na gente.Em algo que nos faria feliz...Eu amo o Natal por que tem Papai Noel.Eu ainda quero acreditar em Papai Noel.Por que tem rabanada.Por que tem panetone.Por que tem abraços de amigos.E,principalmente,por que tem colinho de família...

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Toalhas marrons ou um carrossel ?


Minha mãe tem um dito popular para cada passagem e caso crucial da vida.E é cheia de metáforas.Acho isso divertidíssimo e adoro quando ela se confunde e mistura começo de um com final de outro.Naquele jeitinho dela de libriana meio zen,meio esquecida,totalmente viajando na maionese,ela me ensinou uma das maiores lições que levo pra vida:quem fala a verdade não merece castigo.Escutei isso durante a minha vida inteira.Ela repetia isso 365 mil vezes ao dia!E claro,cresci meio que com a obsessão de dizer sempre a verdade.E sofria,ao pensar no castigo quando quebrava essa regra.A maturidade me fez entender que não há um inferno para quem mente.No máximo,uma grande confusão.Mas mesmo assim,tomei a decisão de não arriscar.Imagino o inferno com camas ardentes e sem lençóis de elásticos cheirando a lavanda.E as toalhas de lá,devem ser marrons(verdadeira tortura para alguém obcecado por toalhas brancas como eu).Então,quando me aproximo apenas da porta, essa visão das toalhas me lembra que tenho que dar meu jeito e conseguir dar o fora de lá rapidinho.E quando consigo isso,ganho como recompensa uma voltinha no carrossel colorido,com vento no cabelo e cheiro de algodão doce.Essa sensação de liberdade me fez tomar a decisão de frear meus impulsos cada vez que minha mente fértil tem vontade de aumentar uma estória.Cada vez que tenho vontade de me apossar de uma idéia que não foi minha e principalmente cada vez que vou ferir alguém que amo com atitudes sem clareza...Decidi falar a verdade no meu trabalho,quando até seria mais fácil trapacear para atingir algumas metas e posições.Claro que já tomei o caminho errado inúmeras vezes.Mas acredito que o que determina quem você é de verdade é o tempo em que vai permanecer nesse caminho.
Mas nem tudo é tão simples.Uma das grandes ilusões da vida é afirmar que só queremos verdades.Na boa,não suportamos verdades.Eu ao menos não suporto.Elas doem.Mas são tão necessárias...Quem fala a verdade é visto como intransigente e sem coração...E não é fácil ser rotulado dessa maneira.O que ando exercitando é buscar falar a verdade sem machucar as pessoas.Mas isso é tão exaustivo.E,principalmente,o que almejo nessa minha jornada é não precisar mentir nunca mais...Pra poder ficar bem longe das toalhas marrons.E dos lençóis sem cheirinho de lavanda.