sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Mulheres espertas usam esfoliante.

 
Eu queria acreditar naquele clichê que fala que a gente tem que se cuidar pra si mesmo. Confesso que uma das cenas que mais amo no filme Comer,Rezar,Amar é quando a protagonista esta na Itália e passa por uma vitrine de lingerie e fica muito pensativa lamentando não ter alguém para quem possa vestir aquela peça. Então sua amiga diz que ela deveria comprar e usar para si mesma. É poesia pura essa cena. Mas de verdade,é ilusão. Ninguém quer comprar uma lingerie para usar para si mesma. Não dá para gastar 300 reais numa camisola para dormir sozinha. Lingerie nova exige plateia! A vida quer plateia! E eu lamento pelas pessoas que não tem para quem se dar. Por que o que a gente deseja de verdade é ser Amado. E principalmente a gente deseja que a pessoa que esta ao nosso lado continue nos enxergando. Mas como é cruel o tempo. Como o tempo deixa nosso olhar desinteressado. E nisso vários amores vão desbotando. Amores que eram tão lindos são sucumbidos pela crueldade da falta do novo. E a gente precisa lutar diariamente para não deixar o interesse morrer. Eu acho que as pessoas fazem uma inversão das coisas. Só casam depois que acham que conhecem o outro de verdade. E não sabem, não percebem que é isso que faz o amor acabar. Conhecer o outro demais é muito chato.Talvez o suicídio do amor. Aquela pessoa não te surpreende mais. E tem coisa pior que isso ?Tem coisa pior que falta de mistério? Depois de um tempo, ao tentar descrever a pessoa que amamos, não conseguimos dizer mais o quão extraordinária aquela pessoa é. E isso me lembra uma outra cena de filme em que uma mulher bonita, inteligente e bem sucedida tenta arrancar do marido o por que de ele a ter traído com uma mulher que nem de longe chegava perto das qualidades que ela tinha. Até que ele sem piedade fala : "eu te trai por que ela não é vc! "
É que a gente por mais que lute, acaba não enxergando mais quem esta ao nosso lado. A gente enjoa mesmo. Imagine tomar o café da manhã com o mesmo iogurte todos os dias. Por mais gostoso que aquele iogurte seja, vai chegar uma hora que a gente não aguenta mais o mesmo paladar
E o que fazer se estamos fadados a enjoar das coisas ? Eu não tenho a resposta. Queria ter. O que sei é que a gente tem que cuidar mais de si mesmo. Não ser engolido pela preguiça de ideias. Ser interessante é algo que se exercita. E isso começa com abrir a mente e ter opinião sobre o mundo. Ninguém quer ter ao lado uma pessoa que não te desafie.Que não contribua para seu crescimento. Que não te faça aprender. Eu acho que uma  coisa que funciona muito é saber que não temos o peso de ser responsável pela felicidade do outro. Eu acho também que as pessoas precisam se divertir mais. Falar bobeiras sem filtro, sem medo de julgamento. Rir,rir e rir.Leveza dá tesão.
 E eu acho que as mulheres deviam sempre usar esfoliante 3 vezes na semana.Pois nenhum homem resiste a uma pele macia e lisinha...

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Filme bom.

 
 
Eu sou muito nostálgica.Daquelas que acha difícil desapegar das coisas. Mas quando digo coisas, não  falo das materiais. Eu me apego e sinto nostalgia das coisas lindas e especiais que vivi. Para as coisas ruins tenho amnésia.Não lembro mesmo.E das boas lembro dos detalhes. Lembro dos sorrisos, do brilho no olho.Lembro do cheiro e de cada palavra que me foi dita. É tanta vida para lembrar. Tantos risos.Tantos momentos bons. Estou assim nostálgica por que estou de férias e finalmente com tempo  para reler as cartas passadas e as fotos antigas. E tenho saudades pois as pessoas não escrevem mais cartas. E hoje, justamente hoje,reencontrando gente que foi importante pra mim.Pessoas que a gente se perguntava por que a vida separou já que a afinidade era tão latente.Reencontros fazem isso comigo.Fazem passar um filminho da minha vida. Daqueles filmes bem empolgantes e baseados em fatos reais.Daqueles que ganham Oscar. E que sentimento bom me veio!Alguns reencontros, mesmo que virtuais te dão a sensação de construção. E quando vc é elogiada tanto pela sua aparência, quanto pelo rumo que deu a sua vida,nossa,é a maior das recompensas.Que delicioso ver que minha vida teve o rumo que desejei. Eu não penso muito nisso e hoje tive esse estalo.Tenho o privilegio de ter construído a vida que sonhei para mim.Quando eu era adolescente eu escrevia diários. Hoje relendo as coisas que escrevia ,posso perceber o quanto era angustiada em não saber se iria levar a vida que eu desejava. Eu já planejava como queria viver e já tinha essa sede de conhecer o mundo. Essa coisa meio nômade de não querer pertencer a um lugar fixo. Eu queria pertencer ao mundo.E hoje estou aqui, vivendo exatamente as coisas que desejei .Claro que com alguns ajustes. O bom é ver sonhos realizados, lugares desejados já visitados. E essa liberdade que não sei bem explicar. É bom ver que não desviei das coisas que desejei para mim.
Estou num momento em que varias convicções mudaram na minha cabeça.Eu já havia tomado a decisão de pegar mais leve no trabalho e já avistava as mudanças que essa tomada de decisão causou na minha vida e na minha saúde .Até o ano passado, rezava para chegar as minhas férias e quando elas chegavam ficava ainda naquela vibe tirana de não conseguir desligar do trabalho. Ainda dependente e sentindo sobressaltos cada vez que o celular tocava.Estou de férias há 3 dias apenas e não sinto aquele pânico que sentia ao lembrar que as coisas poderiam não funcionar sem mim.Que prepotência a minha achar que o mundo iria parar de girar se eu não estivesse por perto para apertar o botão.
Hoje gostei do filme que vi. Hoje percebi também que o passado volta tão sorrateiro e veloz. Que nos pega de surpresa e nos faz sorrir assim, a toa.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Olhando fundo.


Eu lembrei de uma fase em que ainda estava nessa de ser bastante tolerante com alguns comportamentos que via . Eu escolhia simplesmente não dar importância ao que estava por trás de certas atitudes . É que machucava enxergar algumas pessoas. Eu ficava imaginando que essas pessoas estavam numa  fase da vida em que a gente quer ser aceito, quer fazer parte da "turminha". É aquela fase meio sem identidade. A pessoa  finge que gosta de tal coisa só para ter assunto. A pessoa bebe algo mesmo não sendo o seu  paladar preferido. A pessoa diz que não precisa  ter um romance para ser feliz e finge que estar sozinha é uma escolha e debocha da felicidade dos outros.
Me peguei com pena de gente que olha o mundo fora do seu umbigo com desdém, que canta vitória antes do tempo.Gente que não tem olhos suaves com o outro. Gente competitiva.Gente que não enxerga a beleza nos outros e que acha que tal pessoa não poderá ser feliz por quê não veste 36. Estou com pena de gente desconfiada. Que não se abre, que não se doa . Gente que vive em sua concha e que não deixa ninguém se aproximar de seu mundo. Gente que põe outras coisas na frente de laços importantes.
Isso abala um pouco minha fé em algumas pessoas hoje. Talvez amanhã passe e eu ache que isso é apenas coisa de pessoas  que não amadureceram. É que fazer 40 tem dessas coisas : a gente fica com o olhar  muito exigente. A gente percebe demais. E é difícil não sentir dor. É difícil desviar do que nossa visão nos mostra tão claramente.