sábado, 24 de janeiro de 2015

Na hora certa.


Uma das mudanças mais profundas que sofri nesses últimos meses foi ter me encontrado em duas atividades que achava serem impossíveis para mim. Uma foi a corrida e a outra -essa mais libertadora e profunda -a meditação.Eu que andava numa onda muito sedentária finalmente comecei a me exercitar.Claro movida pelo fato de estar acima do peso.Só pensava no físico e acabei descobrindo o quanto isso esta sendo primordial não só para meu corpo mas para minha sanidade.E para uma pessoa tão ligada em 220w como eu,era impossível pensar em meditar.Minha cabeça não parava,era sempre um turbilhão de idéias,cuidando sempre dos outros,com muito trabalho,aeroportos,quartos de hotéis,arrependimentos,pensamentos,planos.E depois que comecei,vou me descobrindo finalmente mais serena.Ainda com aquelas milhares de coisas dentro da cabeça,mas sem dúvida,conseguindo um tempo para mim nessas duas atividades tão prazerosas.Foi tão primorosa essa descoberta que até voltei  a escrever,algo que sempre foi vital para mim.Mas eu andava com um branco total ,não conseguindo colocar meus sentimentos no papel.
Eu tinha uma piada em relação as pessoas que se exercitavam correndo.Falava sempre :correr pra que?De que? De quem? E agora estou adorando pagar a língua..Estou mais leve, física e emocionalmente. É o meu momento,onde paro tudo,coloco o fone no ouvido e tenho a chance de me concentrar apenas em mim.Fico pensando só em coisas boas e não deixo nenhum pensamento ruim me assolar .Na meditação estou descobrindo o silêncio.O silêncio da mente.Do meu coração.É minha maior conexão comigo mesma e com Deus.É difícil se concentrar com tanto barulho.Não o barulho físico,mas o barulho da minha mente tão condicionada a não desligar.
Aprendi que cada coisa tem sua hora para começar.Eu sem dúvida queria ter começado antes.Morro de arrependimento de não ter começado antes .Mas parei de me lamentar. O importante é que comecei.E sonho,espero o dia em que eu finalmente consiga ter o luxo de não precisar adiar essas atividades por nenhum motivo na vida.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Poesia minha.


Pode ser o sorriso torto
Ou talvez as cicatrizes
Não as da pele
Mas as do coração.
Pode ser o fato de não dar o barço a torcer
De empacar e dizer não.
Ou tavez o coração desconfiado
Ou a resistência de não se deixar ser amado.
Ou talvez achar que eu não saberia lidar com a situação.
Pode até ser os chinelos horrorosos.
E o belo gosto musical.
Ou o jeito como vira criança quando esta perto de um cachorro.
Pode ser o toque.
E o beijo,ah com certeza pode ser o beijo.
Ou a maneira que me olha
Como se não acreditasse que sou sua
Por todos e por nenhum motivo eu te amo.
Motivos esses que já nem sei mais.
Talvez por quê tenha inventado um vc pra mim.
Estou prisioneira sem banho de sol.
Não acredito mais em sinais.
Foi tudo fruto da minha imaginação.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Pele boa e dinheiro no banco.


Vou contar o quanto fui tola aos 30.Sim,os 30 não servem para nada.Ele simplesmente nos da a ilusão que finalmente estamos entendendo o jogo.Vou te contar,os 30 só servem para duas coisas : guardar dinheiro e cuidar da pele.Pois é aos 30 que temos que realmente nos matar de trabalhar para ganhar dinheiro e ir a todos os dermatologistas feras do planeta para chegar aos 40 com um bom patrimônio no banco e uma pele de dar inveja.Pois digo,só vale nessa vida,um bom dinheiro guardado no banco para vc finalmente poder curtir tudo que o libertador 40 te proporciona.E haja dinheiro e pele boa,pois com 40 a gente não da mais importância para as futilidades.Os sonhos se tornam grandes.Os projetos vão alem da bolsa da moda.E a sede de prazeres voláteis fica menor.A gente finalmente tem ciência que nada vale o nosso stresse.Paramos de ser vitimas das coisas e pessoas que nos fazem mau.Sentimos menos culpa e só absorvemos o que vai ser de fato importante.Aos 40 a vaidade fica muito aflorada ,mas a vaidade não tem a ver com ter uma bunda dura e uma barriga sarada.É uma vaidade de alma.Nossa alma fica vaidosa pois sabe,entende finalmente como conduzir o jogo.Na verdade,aos 40 só fazemos gol de placa!
Quando se faz 40 é divertido olhar o mundo.Divertido ver como forçávamos a barra  para levarmos a situação.A gente não tem medida.A gente trabalha demais.Come demais.Ama outra pessoa demais.E se leva a sério demais.E acha que isso é legal.Acha de verdade que é o certo. E então não entende por que a vida não esta do jeito que queremos.É que a gente tem a ilusão de que também se ama demais e acaba extrapolando em nome desse amor.E depois descobre que o amor próprio não precisa de exageros. A gente finalmente se ama na medida.Nem mais nem menos.Entende as nossas limitações e faz piada delas. A gente finalmente se aceita.Sem precisar fazer pose ou achar que necessita agradar o mundo.E daí o amor tb sorri pra gente .Quando se faz 40, finalmente entendemos a quem devemos prestar contas nessa jornada.E que o único dono do nosso destino somos nós mesmas...

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Eu ainda como brócolis.


Eu queria ser uma pessoa desatenta.Das que deixam passar.Das que não tem intuição.Das que não percebem.Queria não me preocupar em entender e decifrar as pessoas e o que vai no coração delas.Ate por que ,nunca vamos descobrir o que vai no coração dos outros mesmo.Mas eu sou daquelas que vai fundo,que repara em gestos,ações e olhares.Eu vou fundo em decifrar gente.
E não tenho gostado do que tenho visto em algumas pessoas ultimamente.É que tem gente que é expert em viver a vida dos outros.Tem gente que vive de roubar os sonhos e desejos dos outros.Elas são experts em querer o que o outro quer.De um simples pensamento até um sapato da moda.Pelo simples fato de não conseguirem construir seu próprio caminho.Querem mostrar que conseguiram primeiro que você.Eu antes não me aborrecia com isso.Pois acho inveja algo natural do ser humano.Eu tenho inveja ás vezes. E sei que é preciso coragem para admitir.Mas tenho inveja de coisas inofensivas.Nada que me faça monitorar uma pessoa para conseguir as coisas antes dela.Na verdade,na maioria das vezes sou tão desatenta nessa questão que passo por mal educada por não reparar nas coisas dos outros.Não sou de desejar o que os outros tem.E agora me vejo culpada porque descobri no meio dessa reflexao,que na verdade a única inveja que tenho é de gente livre.Gente que faz o que quer.Gente que não se prende a padrões.Gente que não tem preconceito.Gente que não come brócolis.Pois eu não sou livre.Ainda faço milhões de coisas que não quero.Ainda estou presa a padrões.Eu ainda tenho preconceito. E ainda como brócolis. Por que sei que faz bem a saúde...
Ps: esse post é para Soraia.Gente que brilha causa inveja.A gente não deve ligar...